p Ciranda Cirandinha: <em>«Sabe Mãe, estas coisas não se podem dizer às mães, durante o pico da crise. Elas ficam muito nervosas…»</em> .comment-link {margin-left:.6em;}

Ciranda Cirandinha

A aventura de se ser Mãe e Mulher

4º aniversário da Beatriz

Thursday, January 26, 2006

«Sabe Mãe, estas coisas não se podem dizer às mães, durante o pico da crise. Elas ficam muito nervosas…»

Há quase duas semanas acordou com uma febrão. Mais um, pensei eu, crente de que 1 ou 2 dias depois estaria fina, como é – aliás – frequente acontecer.

Nunca fui do tipo mãe super-hiper-ansiosa e nervosa que, ao primeiro sinal de alarme corre logo para o consultório do pediatra, ou para o hospital. Acho que o facto de ter uma família tão grande, e com tantas crianças, contribui para alguma da minha tranquilidade em diversos momentos.

Entretanto, e como eu própria também fiquei doente, com uma daquelas constipações brutais, chatas e que nos deixam em baixo, acabámos por ficar em casa as duas. Mas, quando ao 3º dia a febre continuava e comecei a vê-la prostrada, a queixar-se da garganta e dos ouvidos, preocupei-me e tratei de saber o que havia. E havia. Havia algo mais que uma virose, de facto. O médico pareceu-me preocupado. Demorou muito tempo a auscultá-la. Tomou muitas notas. Viu-lhe a garganta. Viu-lhe os ouvidos. Viu-lhe líquido já do lado de fora dos tímpanos, e não gostou do que viu. Apesar de tudo não foi completamente claro comigo, em relação ao que ela tinha. Receitou-lhe antibiótico, outro antipirético e mandou-nos para a cama, às duas!

Ao 2º dia de antibiótico, as melhoras eram inacreditáveis. Parecia outra. Bem disposta, cheia de energia e já sem dores nenhumas. Fiquei outra vez mais tranquila. Voltamos lá uns dias depois, para o pediatra ver a evolução dela. Estava fina! A sua reacção foi, felizmente, muito rápida. Está limpinha!, diz-me ele. Perante o meu espanto e ante a minha cara de surpresa, lá concretizou: Foi uma pneumonia. Ela teve uma pneumonia…

Acho que naquele momento me caiu o coração aos pés. Fiquei trémula, sem reacção, incrédula do que tinha ouvido. E ele continuou: Sabe Mãe, estas coisas não se podem dizer às mães, durante o pico da crise. Elas ficam muito nervosas… E provavelmente tem razão. Não sei como tinha reagido e nem se tinha adiantado sabê-lo na hora. Assim, ficámos as duas mais de uma semana “de molho”, da cama para o sofá e do sofá para a cama. E, no fundo, até foi agradável. Deu para aproveitar a minha menina mais ainda. Deu para descansar. Deu, até, para me pôr a par das novidades em todas as telenovelas que por aí andam… e não são poucas!

Hoje, estamos de volta e, apesar do muito trabalho acumulado, havia que arranjar um tempinho para dar notícias. Aqui estão elas, pois, fresquinhas!

*** Ciranda

4 Comments:

At 11:41 AM, January 27, 2006, Blogger Margarida Atheling said...

Foi mesmo a sério!
Ainda bem que já passou!!! :)

Beijinhos, às duas!

 
At 12:09 PM, January 27, 2006, Blogger me said...

É, estes sustos andam por aí...

Ainda bem que já passou tudo!

Beijinhos

 
At 1:17 PM, January 30, 2006, Anonymous Rita Q. said...

bolas!

 
At 12:57 AM, January 31, 2006, Blogger ni said...

ufa...

ainda bem que já passou...

beijos e abraços

 

Post a Comment

<< Home